oligarquia das letras

 

alberto lins caldas

oligarquia das letras

terceira margem, são paulo, 2005

 

 

a Literatura brasileira garante sua identidade se reduplicando, reafirmando as relações oligarcas, as realidades nacionais e fazendo elas aparecerem como “ficção”. essa Literatura é patrimônio, capital utilizado pra reduplicação de si mesma e pra todas as honras da posição. sendo Literatura, é escritura pra servidores e reprodução de servidores, confirmada por todo um processo educacional (“é uma continuação do exame de português”, como dizia lima barreto) e por todas as condecorações, medalhas e fardões honorificando o panteão nacional. essa ficção não é similar àquela que gera a práxis, mas da mesma substância das ficções ideológicas que garantem as produções.